O mau exemplo de Mariana e a necessidade da sustentabilidade

O desastre na cidade de Mariana, em Minas Gerais, chocou a todos no país com mortes de moradores das cidades atingidas, animais e, possivelmente, a destruição quase completa do ecossistema da região, a começar pelo Rio Doce. Cidades e distritos foram dizimados e a vida, neles, agora é uma incógnita. Muitas delas estão sem fornecimento de água, consequência da lama, tóxica, que segue descendo pelo Rio Doce e destruindo tudo.

 

A partir de um fato dessa amplitude e gravidade, que até para especialistas ainda é imensurável e que pode ter levado ao quase extermínio do Rio, devemos ampliar a defesa de uma sociedade mais sustentável. O equílibrio entre o pilar econômico e o ambiental é primordial e, além de preservar as riquezas naturais, age na defesa do crescimento, sólido, a longo prazo, afinal, sem o bem mais precioso do planeta Terra, que é a água, como a sociedade seguirá desenvolvendo-se?

 

As famílias que moravam nessas cidades perderam seu lar, bens e não tem sequer uma previsão de quando poderão retornar às rotinas e casas. Até mesmo a multa de R$ 250 milhões, aplicada pelo governo federal, não é suficiente. A Samarco e a Vale do Rio Doce, empresas responsáveis pelo desastre, arcarão com toda essa despesa e recuperação, que pode demorar décadas?

 

Aqui no Vale do Sinos sabemos a importância de um Rio para o desenvolvimento da região. Há nove anos cerca de um milhão de peixes apareceu morta após o despejo de resíduos sólidos e tóxicos no Rio do Sinos. Essa é considerada a maior tragédia ambiental do nosso Rio Grande do Sul e mais de cem toneladas de peixes morreram em época de desova e reprodução. O Rio do Sinos conseguiu alguma recuperação e segue essencial para todo o Vale, mas e o Rio Doce?

1 comentário

Comentar
Campo obrigatório!
Campo obrigatório!
Campo obrigatório!
Enviando
Comentário enviado com sucesso!
Há algo de errado. Por favor, revise os campos e tente novamente.
Carregando...
Carregar mais comentários

Acompanhe as redes sociais

fb.com/JoaoDerlyOficial

@joaoderly