João Derly defende fim do foro privilegiado em artigo publicado na ZH

Em artigo publicado nesta segunda-feira (24), na edição impressa do jornal Zero Hora, o deputado federal João Derly (REDE-RS) defende o fim do foro privilegiado. O parlamentar argumenta que essa prerrogativa está distorcida, além de causar morosidade no andamento dos processos judiciais. Abaixo a íntegra do artigo:

 

"Justiça que tarda falha. Por isso, o foro privilegiado precisa ter fim

 

O instituto de foro especial por prerrogativa de função, também conhecido como “foro privilegiado”, foi concebido na Constituição de 1988 com um destino nobre. Tinha por objetivo proteger funções essenciais à administração pública e os detentores de mandatos eletivos, como deputados e senadores, de eventuais perseguições. Ou seja, assegurar o equilíbrio e a separação entre os Poderes da República. A realidade, porém, mostrou que é um privilégio incompatível com os valores republicanos, que está à serviço da impunidade e serve de guarida a um contingente de malfeitores.

 

A polêmica desencadeada pela nomeação de Lula como ministro da presidente Dilma Rousseff, para "escapar do juiz Sergio Moro", em março deste ano, demonstrou à sociedade a deturpação da finalidade deste mecanismo. Ao invés de resguardar a função, pode servir na prática para proteger os indivíduos da persecução criminal.

 

A prisão do ex-deputado Eduardo Cunha expôs as diferenças dos tempos da Justiça. A prisão de Cunha – um mês após ser cassado, perder o foro e transformar-se em cidadão comum –, contrasta com a lentidão com que se arrastam os mais de dez inquéritos contra o senador Renan Calheiros na Suprema Corte.

 

Para quem tem foro privilegiado, as horas se transformam em dias. E os dias em anos, aumentando a sensação de impunidade.

 

Estima-se que 22 mil pessoas no Brasil gozem de foro privilegiado. Os processos contra deputados federais, senadores e ministros são analisados originariamente pelo Supremo Tribunal Federal, que só em 2015 julgou mais de 100 mil processos. No meio deste mundo, rodam atualmente 369 inquéritos e 102 ações penais contra parlamentares e o prazo médio para recebimento de denúncias é de 617 dias.

 

É evidente que o Supremo Tribunal Federal não é a corte mais adequada para este tipo de juízo, o que inclusive já foi reconhecido publicamente por diversos dos seus ministros. Tramitam no Congresso Nacional diversas propostas de emenda à Constituição para extinguir esse privilégio, que não combina com uma democracia onde a lei é, pelo menos na letra fria, igual para todos.

 

Os ventos de mudança que sopram da Operação Lava Jato e originaram a proposta das Dez Medidas Contra a Corrupção (PL 4850/2016), cujo objetivo é alterar o quadro de corrupção sistêmica, podem impulsionar também essa mudança necessária e urgente. A justiça que tarda falha. Por isso, é hora acabar com o foro privilegiado."

 

João Derly,

Deputado Federal (Rede/RS)

4 comentários

Comentar
Campo obrigatório!
Campo obrigatório!
Campo obrigatório!
Enviando
Comentário enviado com sucesso!
Há algo de errado. Por favor, revise os campos e tente novamente.
Carregando...
Carregar mais comentários

Acompanhe as redes sociais

fb.com/JoaoDerlyOficial

@joaoderly